Friday Link Pack – week 1

 

Composto da Feira de Natal - FB
Coisas que eu quero comprar em Português

O primeiro do ano, cheio de preguiça, aquela preguiça de quem teria alegremente ficado mais uma semana de férias do que aquela pequenina que tirou entre o Natal e a Passagem do Ano.

  • Vai começar uma nova rubrica que se chama “Coisas que quero comprar em Português”. Fui à feira de Natal do Campo Pequeno e do CCB e caí de costas com o design Português que lá encontrei. Caiam comigo, e repitam: o que é Português é muito bom!
  • Nesses dias comecei a ler dois livros ao mesmo tempo, um que recomendo, o outro que considero obsessivo….
    • Recomendo o livro “Enquanto Lisboa Arde, O Rio de Janeiro Pega Fogo” do Hugo Gonçalves. Não devia recomendar algo que ainda não acabei, mas mesmo assim vou fazê-lo porque já vou quase a meio, e gosto da escrita. Se não se tornar repetitivo… a ver que tal! Depois conto.
    • Acho doentio o livro da Marie Kondo que se chama em Português “Arrume a sua Casa, Arrume a sua Vida“. Mas mesmo assim inspirou-me pra deitar fora uma data de cenas que não estavam a fazer nada nos meus armários e despachei duas caixas de livros, um saco de sapatos e um saco de roupa e malas, um aquecedor e um aparelho de ar condicionado fajuto, uma cómoda e uma mesa de cabeceira.
    • Pra compensar o livro, comprei duas cómodas no IKEA daquelas baratinhas de 25 euros,  e uma cómoda nova igualzinha à anterior, mas em vermelho, porque estava em saldos! E assim que a Remar tiver vindo cá a casa levar as tralhas, eu ponho fotos do make-over 😉 Marie Kondo zero – Andorinha UM.
  • Este artigo explica decentemente o porquê da Arábia Saudita e do Irão andarem à chapada, merece muito a pena.
  • Perder o cabelo é o de menos. Perder as pestanas e as sobrancelhas é o que tem mais impacto e pouca gente sabe. Mas o que nos arrebenta mesmo inteiros, é perdermos pessoas jovens que amamos e que têm uma vida inteira pela frente, mesmo que tenham 80 anos, há um mundo de beijos e abraços para dar e receber. Desejo com todo o meu coração que a Sofia e outros pacientes de cancro fiquem bons e recuperem, primeiro a saúde, e depois o cabelo 🙂 É preciso confiar, e é preciso ter esperança que uma vacina chegará um dia que acabará com este flagelo.
  • Quando eu penso que os Americanos já não podem superar o nível de estupidez estrelar que o Donald Trump conseguiu, aparecem animais como estes. Notem que os EUA são um continente, dizer que OS Americanos em geral são burros, é como chamar burros aos Portugueses por algo que um milhão de Russos fez. Não faz sentido. Mas que há gente muito burra, lá isso há carago. Ou como diz um tipo que conheço: Deus é Pai de cada car***o, oh pa!
  • Este outro vídeo pra compensar, inspira-nos de uma maneira anormal, está muito bem feito e pode ser visto em loop. Não sei se é o melhor vídeo motivacional de 2016, mas que está bem colado, está.
  • Só pra acabar, mais um vídeo, o último, o primeiro vídeo do meu Papa favorito de todo o sempre: #IlovePopeFrancis por pedir diálogo das religiões.

E por aqui me fico, desejando-vos um óptimo fim de semana!

Eu vou a uma festa temática e de aniversário duma amiga, e ajudar outra a mudar de casa, e hoje recebo cá em casa um casal amigo de quem gosto bué e pelo sim, e pelo não, já comprei a Time Out com dicas sobre o que fazer em Lisboa quando chove!

E Bom ano, pessoal!!

Ensinaste-me a dançar

Faz dia 15 de Setembro um ano que fiz 6 horas de comboio depois do casamento do meu melhor amigo para poder passar umas horas com o meu primo Né e a minha família mais próxima.
Foi uma viagem longa, mas consciente de que o tempo se escorre por entre os dedos e poderia ser a última vez que o via.
O Néné estava doente, com essa puta dessa doença maldita que ceifa sem dó nem piedade, e estava cansado de tratamentos e viagens constantes, acima de tudo desolado por já não poder dançar. E eu fiz questão de dar o litro pra poder dar-lhe um abraço e um beijinho, mandar três larachas pro ar e fazê-lo rir só um bocadinho. E valeu a pena, foi um dia inesquecível, éramos 25 pessoas e 5 cães, pequenos e graúdos, apertados numa foto que trago no coração.
O meu primo por afinidade, mais Tio que outros Tios de sangue, que nunca quis mais que gozar a vida em pleno, que dançava passo doble como ninguém, que adormecia em qualquer lado, até na casa de banho, que tinha uma vinha e dezenas de cães de caça bem tratados, que gostava de verbenas, bailes e festa, anfitrião do cabrito da Senhora das Dores, Marido da Pija, Pai do meu primo Jorge e da minha prima Mané, Avô do Tójó, do Dinis e do Francisco, que nos ensinou a todos a dançar quando miúdos pra podermos sacar namorado e namorada como Dios manda. Que me ensinou a conduzir também e a respeitar sempre o meu Padrinho.
Na casa do Néné e da Pija não havia tristeza, havia alegria, música e patuscadas, uma merendinha sempre pronta e gente muito distraída e boa. Na casa do Né e da Pija nós podíamos chegar às 3 da manhã e encontrar a casa vazia porque eles estavam na rua a aproveitar o verão com os amigos, sentados no café entre gargalhadas e anedotas. Mas não fazia falta a casa estar cheia, porque nós estaríamos com eles cá fora, a aprender a viver e a aproveitar cada minuto.
Hoje o Né já não está entre nós, mas sabe e tem a certeza que nos marcou a cada um de nós, a cada sobrinho e filho e neto, inegavelmente, com a sua vida e alegria.
Vou ter muitas saudades tuas meu primo.
Obrigada pela tua presença na minha vida.
Obrigada por me ensinares a dançar o baile da vida.

De lágrimas nos olhos

por causa deste vídeo: http://quadripolaridades2.blogspot.nl/2014/03/por-quantos-amigos-farias-isto-sabes.html

Não é justo fazer uma lista, até porque me ia esquecer de alguém importante e não quero.
Mas eu faço qualquer coisa pra recuperar a força de viver de um amigo ou amiga numa situação destas. Ou família. No ano passado fiz 6 horas de comboio depois duma noitada de casamento porque sabia que podia fazer a diferença no ânimo do meu primo. Faço o pino em cuecas pra animar aqueles de quem gosto e fazê-los sentir que são únicos e importantes.
Obrigada Ursa por me dares ideias destas 😉

Vivam cada minuto, segundo, momento e esqueçam tudo o que vos consome

Esta foto foi tirada no casamento de dois grandes amigos meus no dia 6 de Novembro de 2010.
Foi tirada três dias depois de uma das piores notícias que já tinha recebido na vida.
Não sabia se rir ou se chorar mas estava entre grandes, grandes amigos de quem morria de saudades, os noivos estavam felicíssimos e eu fui abraçada q.b. e naquele dia pensei e senti cá dentro: que se foda. A vida vale cada momento.
Cada dia, cada segundo, cada gesto de bondade que temos para com os outros, cada sorriso que damos e recebemos em triplicado. Cada acorde que me faz vibral a alma e cada passo de dança que dou torna a tristeza em alegria. Não para sempre, mas pelo menos, naquele momento.

Hoje faleceu um ex-Colega meu que era um tipo porreiro, um homem que decidamente sabia viver a vida e aproveitar os momentos. Um cavalheiro podem ter a certeza, apesar da pulseira grossa de ouro e do ar de cigano gingão. Num mês passou de saudável a cadáver. O cancro do pâncreas não perdoa. Ceifa.
Mas deixou boas recordações. Acima de tudo todos se lembram da boa disposição e da gargalhada forte, das piadas rápidas e certeiras e da certeza que era um Companheiro.
À familia do Sales os meus mais sentidos pêsames, e a ele, onde quer que ele esteja, o meu obrigada por me lembrar que a vida é curta mas que vale a pena vivê-la segundo a segundo, copo a copo, passo de baile a passo de baile.

Um brinde à vida, à amizade, ao amor, à alegria, a todos os que nos querem bem e nos tornam os dias mais leves.

Um brinde a todos os que lutam todos os dias contra esta doença macabra e que lhes trocam as voltas.

Um brinde à força e à vontade de viver!

Rock&Roll everybody, porque o amanhã pode não estar ao voltar da esquina.

A Kika e a Gateira em sorrisos pela melhor causa do mundo

Quando a Susana Gateira NL me desafiou para alinhar na corrida da Kika e fazer 5 “milagrosos” kilómetros nunca pensei experimentar o que senti.
Eu sabia que íamos correr por uma boa causa, mas só quando vi crianças de colo com cateteres e miúdos de lenço na cabeça que estavam em processo de quimioterapia é que me bateu o quão importante era angariar fundos e correr por tantas crianças, Pais e famílias.
Enquanto esperávamos que a corrida começasse assistimos à chegada de equipas que tinham feito 95 kilómetros (a pé!!) durante uma noite inteira. Eram famílias e amigos que chegavam em bloco, com camisolas com vários dizeres, como uns que tinham escrito”For Kay”, e que choravam desalmadamente quando chegaram à meta enquanto se anunciava que tinham conseguido reunir 14 mil euros que reverteram inteirinhos pra investigação e cura do cancro em crianças.
Foi neste momento que ficamos emocionados e cheios de pica. Uma força e uma alegria que não se explica e que contagiou a equipa inteira da Susana Gateira NL e que se pode ver nas fotos que posto. Não há uma foto em que não mostremos os dentes todinhos!
Começamos e acabamos a corrida juntos (e não pensem que não me custou…no último kilómetro vi a minha vidinha a andar pra trás). 
Quando comecei a ficar cansada, aí por volta do terceiro kilómetro, olhei em frente, vi um miúdo de 12 ou 13 anos de lenço na cabeça. Se ele não desiste de viver, eu não posso desistir de correr.
Passamos a meta cheios de força, felicíssimos e com a promessa que vamos voltar a correr pela Kika e por outras causas que achemos igualmente nobres.
Correr e fazer desporto não é necessariamente um exercício de narcisismo, pode bem ser um exercício de gente cheia de alma e coração que quer ajudar outros a ter uma vida melhor e mais saudável.
Se isto é “runner’s high”, então eu estou viciada com certeza.

PS: antes que pensei que virei uma blogger das que faz dinheiro à custa da publicidade, a Susana Gateira NL é de dois grandes amigos meus que têm imenso valor por trazerem para Holanda uma marca Portuguesa. Convidaram-me como amiga, ajudaram-me a treinar durante 3 meses e eu ganhei ZERO com tudo isto, excepto um sorriso que não me cabe dentro do peito pelo dinheiro que conseguimos reunir junto de amigos e colegas para ajudar tanta criança que sofre. Todos nós fomos voluntários nesta corrida e tornamos-nos uma equipa pralém de amigos. E isso não tem preço.

Update do estado físico lastimável em que me encontro

Finalmente comecei a correr a sério, ou seja, já estou na fase do “corre 5 minutos”, caminha minuto e meio, corre mais 3 minutos, caminha minuto e meio, corre mais 5. Pelo menos já corro tooooooooodos uns 800 metros seguidos e sem dores de burro! Mas estou tão podre que me vou atirar pra cama e nem 11 são e hoje é sexta… (uma hora, 6 kms e meio). Quando chegar aos 5 kms seguidos a correr vou andar com um andar novo durante dias!

Mensagem do Dr. Daniel Pereira da Silva director do serviço de Ginecologia
do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Coimbra.

Caros Amigos e Amigas

Preciso da vossa ajuda. Assinem a petição para que o cancro do colo do útero venha a ser discutido no Parlamento Europeu, de modo a que os rastreios sejam uma realidade em todos os países, nomeadamente em Portugal, onde só existe na Região Centro.
Obrigado

http://www.cervicalcancerpetition.eu/

 NÃO CUSTA NADA ENCAMINHAR
Por favor encaminhem este mail para os vossos amigos e amigas.
Obrigado!

Vou correr 5 kms no dia 25 de Agosto

Ora isto seria normal, não fosse o caso de eu nunca ter sido capaz de correr 500 metros seguidos, quanto mais 5 kms….
Então ando a treinar, e a seguir um programinha do iPod e tudo e tudo e confesso que me custa. Mas é por uma excelente causa.
Juro que não sonham o que me custa, por eu nunca gostei de correr. Pra ser mais exacta, sempre odiei. E não é que eu esteja a dar uma de tolinha “maluquinha” como os meus amigos todos que começaram a correr maratonas e a comprar ténis em formato de meias. É que me perguntaram se queria ajudar e eu aceitei consciente de que me ia esfalfar, mas que era por uma boa causa.

Vou correr 5 kms pela Susana Gateira NL na corrida da Kika.

A Kika é uma organização que ajuda crianças com cancro. Por favor doem em nome da equipa Susana Gateira e ajudem-nos a combater esta doença dos infernos.

Obrigada por cada euro, cada cêntimo que possam dar: http://www.runforkika.nl/Ede/TeamsOverview.aspx?PageId=33&TeamType=4

Cliquem no link e disparem amor e carinho em flecha aos corações destas crianças.

Muitíssimo obrigada e lembrem-se que hoje eles, amanhã nós.

Sofia

PS: entretanto já vos posso dizer que ando há duas semanas a bulir no ginásio e já faço toooodos uns 2 minutos seguidos a correr, ah?! ah?! ah?! Quem diria!!

Porque é que eu acredito que aos 90 ainda vou andar a correr mundo

Porque há sempre alguém que perde alguém e se enche de valor e de coragem e força e alia esses valores à sua imensa inteligência e faz coisas fabulosas como o Jack Andraka.

Um rapaz americano criou um sensor que identifica, através de uma pequena amostra de sangue ou urina, se alguém sofre de cancro do pâncreas.

Ele explica no vídeo:

A Luna que é modesta e caladinha, embora não pareça 😉 já não tem 15 anos, mas vai partir esta merda toda quando acabar a Tese e a investigação que tem feito.

E eu gosto de vocês porque vocês amaram tanto alguém que acabaram por gostar do mundo inteiro ao proporcionar descobertas deste género.
O meu sincero obrigada.
Sofia