Ignorance is a bliss.

Eu não ia escrever sobre isto, mas vai ter que ser porque ontem fui pra cama mal disposta e ou deito isto fora ou rebento, e implodir é que não pode ser.
Relativamente à história da criancinha e do cão: eu recebi como quase toda a gente a foto e as petições e não partilhei nem assinei a mesma por uma razão muito simples: eu não conheço o bicho.
O que eu conheço é a realidade e a pobreza em Portugal (e não só) e que me leva a perguntas simples e concretas:
– o que car@lho faz uma criança de um ano e meio, que mal sabe andar, a passear por uma casa às escuras durante a noite?
– terei sido só eu a entender que uma criança dessa idade deve estar dentro de um berço com uma grade para não poder sair uma vez que pode cair da cama, bater com a cabeça e morrer?
– se calhar estava a dormir com os Pais, que coitadinhos não tinham dinheiro pro berço (esta gente não sabe o que é um contraceptivo), e não perceberam que o bébé se pôs a andar da cama onde eles estavam. Se calhar tinha ido beber água à cozinha, é perfeitamente normal numa criança de 18 meses, vou virar pro lado e continuar a ressonar.
– terei sido eu a única que leu a notícia e que percebeu que o cão não mordeu a criança e que o “ataque” se revelou em contusões cranianas que são causadas pela queda? Mas que no entanto a história foi publicada de várias maneiras, com vários títulos e conteúdos de forma a gerar celeuma porque era um pitbull? Vejam aqui: http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2013/01/08/morreu-crianca-de-18-meses-atacada-por-cao-em-beja
Ora a criança foi mordida, ora foi atacada de modo a criar traumatismos cranianos. Terei eu sido a única a perceber que a criança TROPEÇOU no cão car@lho? Só quem não tem um cão é que é capaz de imaginar um bicho que convive há ano e meio com uma criança e que a ataca, porque sim!
– Um cão com oito anos já não brinca, já não acha que a criança é um brinquedo. Um cão deste porte não põe as patas em cima da criança pra proteger a porta da entrada, nem derruba pessoas. Seja ele agressivo ou não. A criança não tem uma única dilaceração, logo o cão não abriu sequer a boca, e não saltou pra cima do miúdo. Um cão destes ou outro, PROTEGE.

O que eu quero dizer com isto é simples: abatam-se os Pais.

Os responsáveis pela vida de uma criança são os PAIS dela e eu estou cansada de ver filhos da puta que não merecem a sorte com que foram abençoados e que são MAUS Pais. MÁS pessoas. Há gente MÁ, há muita gente que devia nascer estéril mas que ainda aí, a maltratar crianças, a NEGLICENCIÁ-LAS, sem princípios, que os têm quando estão casados e quando se divorciam só as usam como moeda de troca ou como saco de pancada pra aliviar as frustações do dia-a-dia.
E eu convivi com muita criança mal tratada, crianças essas que mesmo assim acham que o Pai ou a Mãe, de acordo com os sonhos deles, são os maiores embora os tivessem abandonado ou maltratado.
E magoa-me profundamente que as pessoas não vejam, não alcancem que uma criança de 18 meses morreu porque os Pais eram umas bestas. Porque só uma realíssima besta deixa uma criança de 18 meses passear pela casa sozinha capaz de perder o equilíbrio a qualquer altura e cair e bater com a cabeça.

Se não houvesse um cão em quem pôr as culpas esta gente ia ser presa por ter matado o filho um dia por negligência. Ainda bem pra eles que vão poder ficar cá fora porque tinham um cão “duma raça perigosa” (olha a sorte o bicho ser um arraçado de pitbull, ah?) e ainda pra mais não vão ter de o alimentar porque já deve ter sido abatido (coisa que eles tentaram fazer há um ano atrás porque não tinha como alimentar o bicho. Um cão que come restos, não pode ser alimentado, logo vai pro canil pra abate) e assim não têm com que se preocupar.

Perante a lei, os animais são coisas e podem ser abatidos porque não têm intenção e porque não têm defesa.
Perante a lei, os animais não têm sentimentos e não podem falar sobre a forma como o bébé e ele mesmo eram tratados.
Perante a lei, qualquer besta pode ser dono de um animal e não precisa de lhe por o chip, de lhe dar vacinas, de o treinar, de o alimentar, levar à rua pela trela, por-lhe um açaime caso se justifique dada a raça, pagar seguro de terceiros e de saúde.

Mas o que é pior!!! Perante a lei, qualquer pessoa pode ser Pai e pode ser Mãe. E isso é o que eu não compreendo.

PS: perguntam-me muitas vezes porque é que tenho 3 cães e já me perguntaram porque é que não dou um ou dois deles.Se não o fiz e não o faço é porque nenhuma (nem uma!) das pessoas que me pediu um cão esteve disposta a por-lhe um chip, dar-lhe um passaporte, pagar as vacinas, TREINA-LOS ou sequer levá-los à rua. Nem uma! E eu recusei categoricamente família e amigos. A única pessoa a quem daria um deles era aos meus Pais ou a um ou dois amigos que eu soubesse que fariam o exposto, mas infelizmente esses não me pediram um.
Se me quiserem ver perder a cabeça, ser (ainda mais) mal educada e peixeira, é passarem por mim em Braga quando as pessoas passam por mim na rua e me dizem: Ó menina, dê-me um!! A menina tem 3! O que é que lhe custa? Vá lá!
E esta gente fala a sério!! E eu ESPUMO literalmente da boca, lanço o meu olhar mais fulminante e viro-lhes as costas pra não as mandar pro… exacto!
Os cães são meus, são da minha responsabilidade e exigem muito trabalho, muito amor e muita dedicação. E não são coisas, são animais e têm sentimentos. São ciumentos, são meigos, são dedicados, gostam mais de mim que muito boa gente e demonstram-no. E no dia em que eu perder um deles vou perder um pedaço do meu coração, porque eles roubam-nos o coração, mas vou ter a certeza que eles me garantiram momentos de alegria únicos. E quem não percebe isto é porque nunca teve um cão.

42 comments:

  1. Saozinha, a autopsia ja saiu e nao se fala de mordedura em lado nenhum.
    Quanto ao traumatismo, se caires duma cadeira e bateres com a cabeca numa esquina tambem tens um. Os traumatismos craneanos sao provocados por quedas e o que eu defendo e' q uma crianca de ano e meio pode cair a qq momento e nao pode, nao pode mesmo! andar sozinha por uma casa as escuras afora.
    Sejamos realistas, a sorte dos donos e o azar do cao e' ter o sangue de pitbull.
    A negligencia parental nao ha-de ir a tribunal pq o cao ja foi abatido e o assunto assim ficou resolvido. E' por isso q sou contra o abate, pq os Pais nao merecem desresponsabilizar-se. Tivessem os pais da Maddie um pitbull e nao tinham facturado tanto guito!

  2. Andorinha

    a criança nao andava numa casa às escuras a meio da noite, entrou na cozinha que estava às escuras às 19h. Não conheço os pormenores das circunstancias, mas qualquer criança pequena em coisa de dois segundos pode dar uma corrida da sala para a cozinha, por exemplo, e tropeçar num cão que lá esteja. e nenhum pai, por mais consciencioso que seja, pode impedir que tal aconteça, a não ser que mantenha a criança permanentemente amarrada. e embora ainda não tenha lido nada com a descrição exacta do que aconteceu em pormenor, vejo por todo o lado acusações de negligência aos pais, que, pelo pouco que sei, poderiam estar ali mesmo com a criança que num segundo deu uma corrida.

    tanto nas notícias do público como no i referem-se mordeduras, inclusive na zona da cabeça. a criança morreu de traumatismo craneano, que sim, tanto poderá ter sido provocado por uma queda normal, como de um arremesso violento do cao fazendo-a bater com a cabeça com uma tal violencia que provocou o traumatismo, o que raramente é fatal quando se dá uma simples queda – creio que todos batemos com os cornos no chão em miudos sem piores consequencias. e um cao daquele porte, se se atirar a uma criança, pode facilmente matá-la, mesmo que nao a chegue a morder.

    quanto à autópsia, se me encontrares uma versão oficial do que foi determinado na mesma, em detalhe, agradecia. essas especulaçoes sobre nao haver mordeduras ainda só encontrei por blogs, redes sociais, e fontes não fidedignas.

    ou seja, antes de mais, acho que se deve apurar o que realmente aconteceu, com pormenores, e perceber se o cão atacou a criança ou não. e se atacou, lamento, mas representa um perigo para a sociedade, e por isso esse perigo deve ser eliminado.

  3. Curioso que se seguirem o link que pus ali em cima veem que a sic tanto diz q houve mordedura como ja diz que na autopsia nao ha nada, como diz que o cao era violento e a seguir passivo.
    As sete da tarde no inverno ja esta escuro, mas explica-me la em que tipo de casa vive alguem q tem uma cozinha com a porta aberta, os estores corridos e tudo completamente as escuras.
    Eh pa, nao me venham com tretas.
    O que eu digo desde o inicio e' q o cao e' bode expiatorio porque esta historia esta muitissimo mal contada.
    Um puto de ano e meio que foge de repente e entra numa cozinha e' facilmente visto por um Pai ou uma Mae pq tem um ano e meio porra!!!
    Os miudos qdo teem essa idade nao conseguem deslocar-se mais do que 5 metros sem cairem com o rabo e a fralda no chao ou andarem a cambalear. Ainda ontem vi o video do filho dum amigo meu q tem ano e meio e o pai dizia: e' oficial, ja anda! Agora e' q o rastro de destruicao vai ampliar!
    E vias o miudo qual locomotiva a andar dum lado pro outro e a apanhar tudo o que podia e levar a boca.
    Uma crianca de ano e meio nao se deixa sem vigilancia, e nao e' num segundo de distraccao q ela entra na cozinha e acorda o cao, nao me lixem!

    O que eu digo E REPITO e' que o animal so' deve ser abatido caso provado responsavel e isso indaga-se, ve-se numa autopsia, ha analises comportamentais q se fazem aos bichos, etc.
    Os Pais, com a dor da perda da crianca, passam impunes e fazem mais filhos que a seguir o estado vai recolher e por numa instituicao.

    Acho que ha provas a tirar antes de se abater um bicho ou condenar um ser humano. Se o bicho atacou e nao sabe refrear instintos, abate-se, que remedio.
    Mas e se os Pais sao realmente uns merdas? Quem e' q os abate? A justica?
    Desculpem-me os advogados, juizes e assistentes sociais, mas sao mtos anos a ver casos de horror na justica.

  4. É um cão cujo dono o arrastou preso por uma corda à viatura por mais de um quilómetro, com o fim, confesso, de matá-lo, porque, parece, o cachorro causava despesa.

  5. Quanto ao cachorro protagonista na morte dessa criança, tudo quanto diz na sua crónica está absolutamente certo.
    O abate do animal nada mais é do que uma compensação pela incúria paternal, justificada com o linchamento da vítima perfeita.
    Para um idiota Daniel de Oliveira que defende a preservação da mais execrável criatura humana em detrimento do mais fiel animal, em que patamar coloca os direitos de uma mulher, uma mãe, que tranca os filhos num quarto e os assa em vida?

  6. Nem todos os donos sao bestas, nem todos os Pais sao maus. Ha mtos donos como deve ser e muito Pais q nunca o deviam ser.
    A maldade no coracao duma pessoa q arrasta o cao por uma corda durante um km e a maldade que ja vi no Pais, e ate em criancas e' algo que me custa mto entender.
    Nao sao fundamentalista nem dos animais nem dos seres humanos pq acredito que ha animais e seres humanos intrinsecamente maus.
    Mas acredito que os animais deveriam ter os seus direitos legislados para que pessoas mas fossem impedidas de os adoptar ou comprar. E punidas por nao assumirem essa responsabilidade. Pq os animais sao seres indefesos, tal como as criancas e nao tem a culpa se alguem os adoptou ou pariu.
    E tinhamos aqui pano pra mangas.
    O que eu quero dizer e' q neste caso em particular o que interessa e' como e' q uma crianca vai parar a uma cozinha as escuras.
    As favas caem sempre em quem nao de pode defender, nao e?

  7. Obrigada eu! Que estou aqui a bramir espadas no ar e ninguem ouve… pq era um cao perigoso, sabes?
    E se uma crianca tropeca num dos nossos malteses e morre? Passam a ser raca perigosa?
    E' por isso q eu nao deixo os meus caes sozinhos com criancas.

  8. Sofia, uma criança de ano e meio mexe-se muito mais e muito mais rapidamente do que assumes. E na minha casa em portugal, por exemplo, às 7 da noite, quando já está escuro, garanto-se que se a cozinha estiver de luz apagada, está bastante escura, mesmo que a luz da sala esteja acesa. E garanto-te que muito rapidamente um miudo se põe da minha sala à cozinha num abrir e fechar de olhos.

    Nós não sabemos suficientemente o que aconteceu para atirar pedras aos pais, porque simplesmente nao sabemos como se passou, a unica coisa que sabemos é que a criança entrou na cozinha às escuras (ou seja, luz apagada e já de noite) e que caiu sobre o cão. Tudo o resto é especulação até as circunstancias serem apuradas.

  9. Tal como disse acima, acredito na maldade humana e animal de nascenca. Sei que e' duro se perceber, mas e' verdade. Ha gente q nasce ma e animais q nascem maus por natureza. Para ambos sou a favor "do abate".
    Se dependesse de mim nao sobrava um pedofilo com vida nem um violador ou assassino em serie. Mas isso sou eu.

  10. Andorinha, acho que estas a ser um bocado fundamentalista. Mostra-me um pai ou mae que nunca tenha cometido um erro ou descuido e eu mostro-te um mentiroso. Ninguem eh perfeito. Uma coisa eh a negligencia grosseira e outra eh um descuido momentaneo.

    Nao conheco os contornos especificos desta situacao, e pelo que leio, parece que a maior parte das pessoas tambem nao. Acho que toda a gente concorda que se a crianca morreu devido a um ataque do cao este deve ser abatido. Caso contrario, nao. Acho que tambem toda a gente concorda que, se a situacao se deu devido a neglicencia grosseira dos pais, estes deveriam ser responsabilizados. Espero que esteja em curso uma investigacao?

    Lamentavelmente, parece-me que o abate do cao era inevitavel, a nao ser que houvesse quem, finda a investigacao, o quisesse adoptar?

  11. Eu já "tropecei" na minha cadela sem querer e levei uma granda trinca, mas a culpa foi minha. O cadela é minha! A culpa seria sempre dos pais/ou quem quer que seja que toma conta. Eles é que têm a criança indefesa e o cão. Se a minha cadela morder a alguém a responsabilidade é minha, mas se eu tiver um filho, que num momento de distracção, morre afogado ou tropeça em algo e morre, etc… a responsabilidade também é minha! Estão a usar o cão como bode expiatório para não punirem os RESPONSÁVEIS. Como é óbvio um cão não é responsável. E acho a questão das raças perigosas ridícula! O primeiro instinto do cão é amar e proteger o dono, se assim não é, é culpa dos donos que os treinam para as lutas.
    Nem tu os deixas sozinhos, nem os pais de uma criança de 18 meses a deviam deixar sozinha com o cão. O contrário também é válido! Há pais que se divertem a ver as crianças a atazanar os cães, já me aconteceu, mesmo com a cadela ao meu colo. Depois queixam-se que a cadela rosna :S

  12. Acho que o grande problema é que não sabemos o que se passou. E a maioria das pessoas está de acordo com o fundamental: tem que haver um inquérito sério, perceber o que se passou. E SE ficar provado que o cão foi o culpado deve ser abatido. Se não foi há que apurar responsabilidades e condenar os culpados.
    Eu sempre disse que os donos são culpados pelos comportamentos dos cães. A maioria dos pitbull que conheço (de vista, que por acaso -ou não- nenhum dos meus amigos tem um) são de pessoas que os incentivam à violência. Por outro lado a maioria do Rotweillers que conheço são um amor de cães (e pertencem a pessoas que lhes dão imenso mimo e que os conseguem efectivamente controlar. Eu adoro rotweillers e gostava imenso de ter um.
    Um cão grande é perigoso. Um pequeno é menos perigoso, por razões óbvias. Eu tive duas cadelas pastor-alemão: uma era má como as cobrinhas, outra era a cadela mais meiga do mundo. Mas a que era má foi educada para ser uma cadela de defesa, a outra foi educada … bem foi mimada até mais não.
    isto tudo para dizer que adoro cães (tu sabes que sim), acho que há pessoas que não deveriam ter cães (e quem não devia ter cães, não devia ter filhos), deveria haver regras e leis e um maior respeito pelos animais.
    Mas eu conheço cães maus. Caramba EU, que nunca tive medo de um cão na vida, tenho medo de um cocker de um vizinha. O cão é super bem tratado, mimado, tem imenso espaço, mas é de tal forma ciumento que ninguém se pode aproximar daquela casa sem sofrer riscos… Se tem que ser educado, certamente que sim. Que tem que ser bem tratado? é-o todos os dias. Mas se um dia se virar contra alguém a sério – ou se houver probabilidades sérias de tal acontecer- a coisa muda de figura.

    Mas esta história (como a maioria das polémicas) acaba por ser um jogo de argumentos que têm pouco a ver com o caso em si. Eu comparo animais a pessoas todos os dias, às vezes ganham uns, outras vezes ganham outros. E adoro animais. Mas eu não sei o que se passou naquela casa (e Andorinha, eu aos 9 meses aprendi a andar, imagino que aos 18 já soubesse correr) e sinceramente gostava de saber. Porque se os pais são culpados da morte do Dinis deviam ser condenados. Mas se o cão é perigoso (e também só sabemos que ele era bonzinho pela família) há que tomar precauções para que não torne a magoar ninguém – exactamente o mesmo que devia ser feito a muitos seres que se dizem humanos e a quem a justiça não consegue agarrar.

    Só para terminar: lá em cima em relação ao animal falei em "ser abatido" e em relação aos culpados falei em "ser condenado".
    Não concordo com a pena de morte. Se há criminosos que a mereciam? sim, claro. Mas continuo a não concordar. Mas não há a hipótese de manter um animal preso o resto da vida (precisamente o que certas pessoas fazem aos seus animais) – não concordo com esse género de tortura , até porque o sentido de bem e de mal é diferente de pessoas para animais, pelo que em certos casos o abate é a única solução.

    beijocas

  13. "Se não houvesse um cão em quem pôr as culpas esta gente ia ser presa por ter matado o filho um dia por negligência"

    Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Ninguém põe culpas no cão, mas apenas nexo causal com uma morte. A negligência, se houver, será dos pais e sim, podem ser acusados e condenados por ela.

    Já agora, espero mesmo que não advogues o abate para todos os pedófilos. Estou a por a cabeça no cepo, já sei, mas nem todos os pedófilos são agressores sexuais. Há pedófilos que não fazem mal a ninguém, porque não conseguem passar ao acto, e sofrem horrores pela parafilia que carregam. Excitam-se a ver o catálogo da vertbaudet ou certos babyblogs? Azar. Antes isso que consumir kiddy porn ou ir bater no parque infantil.

  14. Disse-me uma colega ontem (o mundo da Enfermagem é pequenino pequenino!) que a criança, internada no serviço em que ela trabalha, não tinha uma única mordidela de cão…
    Eu confio muito mais no que ela me disse do que nas notícias publicadas nos Correios da Manhã deste país. E sim, concordo que a criança nunca deveria andar sozinha numa casa, com inúmeros perigos em seu redor. Não sou mãe, mas compreendo que nenhuma mãe ou pai consiga olhar durante 24h seguidas para uma criança e que uma ínfima distracção pode ter consequências devastadoras. Da mesma forma que concordo quando dizes que o cão é o bode expiatório desta história toda…
    É por isto que eu tenho gatos! 🙂

  15. Pois Cátia, mas como já disse no blogue da Luna a SIC diz que a criança tinha golpes profundos na cabeça e no pescoço. A autópsia já deve ter sido feita, a seu tempo se saberá a verdade.

  16. A confirmação no Público:

    "deu entrada com um traumatismo crânio-encefálico grave, com o crânio esmagado e com massa encefálica arrancada, segundo fonte hospitalar. O menino não resistiu aos ferimentos e morreu por volta das 0h de terça-feira.

    A autópsia, realizada na quarta-feira, concluiu que a morte se ficou a dever aos ferimentos provocados pela mordedura do cão, segundo disse ao PÚBLICO fonte do Instituto de Medicina Legal."

    Trocado por miúdos: o cão arrancou parte da cabeça do miúdo.

    http://www.publico.pt/sociedade/noticia/mais-de-11-mil-pessoas-contra-abate-do-cao-que-matou-crianca-em-beja-1580190

  17. Sim, Cátia Afondo, a sic está envolvida numa terrível campanha de abate de pobres cãezinhos, e a sua amiga é que sabe tudo.
    Agora vá ver mais um episódio dos ficheiros secretos, que você enquadra na categoria de "documentário" em vez de ficção, e deixe as pessoas crescidas em paz.

    Estou como a Luna: se na autópsia se apurar que a criança morreu porque tropeçou no cão, faço mea culpa e assino a petição. Até lá, total falta de pachorra para pessoas que tratam os animais como pessoas, e que com isso só contribuem para que os animais se tornem perigosos e com comportamentos estranhos. É, deviam ver o cesra millan com mais atenção, não é só a parte da reabilitação que interessa.

  18. No mais, tem sido interessante verificar que os 'himanos' defensores do cãozinho têm tido a postura mais fanática e intransigente, chegando até a ofender a memória de uma criança, o Dinis, que não chegou a viver o que devia. Tchhh, o que ele andava a fazer a pé pela sua casa, realmente. Se uma criança não pode andar sossegada em casa! Ele é que devia estar numa jaula, querem ver?

  19. Concordo com a Patricia e o seu bom senso em numero genero e grau, excepto na parte da pena de morte.
    Luna, se esta na autopsia quem sou eu pra discordar? A questao que eu coloco e' a que esta no post que postei a seguir. Concordo que se abata um animal perigoso caso realmente o seja.
    Assim como estou de acordo com a pena de morte pra violadores sejam eles de criancas ou adultos e assassinos em serie. Ou isso ou a castracao por injeccao.
    E Izzie, nao concordo que se mate ou castre gente q nao viola os direitos dos outros. Nao sou nazi, nao acho q se deva fazer uma caca ao homem. No entanto sei por experiencia q miudos violados violam por vezes outras criancas mais novas ainda e dentro das proprias instituicoes do estado. Morte pra estas criancas? Nao. Mas aos adultos que as maltrataram de modo tao grave sim. Durante 8 anos lidei com um miudo amoroso a quem o Pai tinha arrebentado com o esfinger devido a violacoes consecutivas. Quando o conheci ele tinha 8 anos. Quando o vi pela ultima vez tinha 16. Ja controlava o acto de defecar, mas morria de medo de pessoas.
    Tenho o estomago cheio de estorias destas e pouca ou nenhuma compaixao por quem o fez uma vez que fosse. E' por esta dor de estomago que advoco a pena de morte ou castracao definitiva.
    O assunto do cao por min esta arrumado, por favor nao se batam mais de argumentos neste post. Nao vamos devolver a vida ao Dinis por isso.
    A minha opiniao sobre os Pais continua a ser a mesma no entanto. E sobre os jornais tambem.

    Um abraco a todos,
    Sofia

  20. De resto, não vi para aqui chamar criança a ninguém, vim expôr a minha opinião, tal como a Izzie tem a sua. Acredita na SIC e no Público, tudo bem. Tal como refere que se o resultado da autópsia confirmar o contrário daquilo que defende, assina a petição, se a mesma revelar o contrário do que penso, sou a primeira a concordar com o abate do animal. Tão simples quanto isto. Enquanto tudo for cinzento, não vale a pena enervar-se! Eu também sou crescidota e não me enervo com as opiniões contrárias à minha!

  21. Cátia Afonso, segundo o jornal Público, uma fonte mais credível do que redes sociais e diz que disse:

    "deu entrada com um traumatismo crânio-encefálico grave, com o crânio esmagado e com massa encefálica arrancada, segundo fonte hospitalar. O menino não resistiu aos ferimentos e morreu por volta das 0h de terça-feira.
    A autópsia, realizada na quarta-feira, concluiu que a morte se ficou a dever aos ferimentos provocados pela mordedura do cão, segundo disse ao PÚBLICO fonte do Instituto de Medicina Legal."

    http://www.publico.pt/sociedade/noticia/mais-de-11-mil-pessoas-contra-abate-do-cao-que-matou-crianca-em-beja-1580190

  22. Andorinha, que tal outra perspectiva? Aqui vai: se um dia assistires ao ataque de um pitbull a um rafeirinho "café com leite", como eu assisti (e de que soube o desfecho infeliz, da amputação da pata e coxa inteira do cão pequeno) ponderarias decerto a desnecessidade de existirem cães de raça perigosa. Até agora, a discussão tem sido responsabilidade dos pais da criança / responsabilidade dos donos de cães perigosos / perigosidade do animal etc. Tem que ser levantada a questão animal vs animal, quando um seja de raça perigosa e quando outro seja um inocente bichinho com ou sem pedigree e com ou sem dono mas que se habilita, por partilhar o mesmo espaço que um de raça perigosa, a morrer ou a necessitar ser amputado. Falta-te perspectivar enquanto dona de animais que muito dificilmente matarão alguém, a quem não falhas com comida, carinho e abrigo, e que podem um dia ser vítimas de uma criatura de raça que nem devia existir.
    Nota: falo enquanto dona extremosa de dois enormérrimos cães da serra e de um pastor alemão. O meu maior medo é que encontrem na rua um pitbull ou parecido, cães manipulados para "não largar até matar" (precisamente pq eu sei que os meus não fazem isso, ou seja são potencialmente indefesos face ao ataque de um cão de raça perigosa como quase toda a gente é)

  23. PS: Já agora, todos os donos insistem que os seus cães de raça perigos são pacíficos, "um amor com as crianças", jamais representam perigo, se atacarem é como qualquer cão… Eh pá, então se é para isso porque não compram um cão d'água, ou se quiserem mais arisco, um pastor alemão ou assim. O Bruno Nogueira teve uma perspectiva muito engraçada (como sempre, aliás) no Tubo de Ensaio da TSF, vou ver se arranjo o link.

  24. Ola, entao va, porque es simpatica, ca vai.
    Eu tenho 3 piolhos malteses e a mae deles e' muito gaja pra atacar qualquer cao e ando aqui 'a rasca pra controlar. E' a bicha mais docil a face da terra mas nao sei o que lhe deu que desde que teve os caes acha-se poderosa e morde outros caes. E eu morro de medo que seja ela a provocar qualquer cao grande, ou pequeno. E nao tenho caes duma raca perigosa, pelo contrario. O treinador definiu-a como dominante mas nao agressiva, no entanto e' uma fera a atacar outros caes q se aproximem das crias. Que faco eu? Abato-a?
    Nem pensar, nao e'? Nas aulas que tive com ela em Dezembro estava la um american pitbull que dava dez a zero em obediencia e comportamento 'a minha. O dono e' um senhor alto, que monta postes de eletricidade, e que teve o cuidado de treinar o cao como deve ser e ele nao punha pe' em ramo verde.
    Ou seja, e' certo que existem racas perigosas, mas o ataque entre caes pode ser iniciado por qualquer raca. Temos, os donos, de aprender a "ler os sinais" e preparados pra gastar nao so dinheiro como muito tempo para os recuperar. E e' o que eu ando a fazer e acredita que me sai bem do pelo, mas ganho em qualidade de vida e seguranca pros meus animais. E' que, como tu dizes, se ela for atacada por outro cao, ou qq um dos meus, e morrer ou ficar sem uma pata, nao ha quem me console.

  25. Minha querida, permite-me mais este bitaite, sim?
    Acho que ninguém que te conheça tem quaisquer dúvidas do quao responsável és com os teus pequenos, e a tua atitude quanto à sua educação é irrepreensível. E no entanto, da ultima vez que estivemos juntas e fomos passear os miudos, quando a Petzi começou a ladrar a caes gigantes, fiquei apavorada. Não por achar que pudesse vir a atacar pessoas, ou pudesse magoar os tais caes, mas porque tive medo que um desses caes se virasse a ela e a pudesse magoar/matar – e disse-te exactamente isso.

    Da mesma forma, há tempos estive em casa de uns amigos que tinham uma cadela pequena, que num espaço de horas me deve ter mordido aí umas 400 vezes (na brincadeira), embora só me tenha feito umas arranhadelas e danificado peças de roupa. Só que, lá está, tratando-se de caes não especialmente agressivos, nao especialmente letais, mais facilmente controláveis fisicamente, a coisa controla-se. E se é claro que todos precisam de ser educados, a nível de danos possíveis, são relativamente limitados, enquanto cães de certas raças, serão MUITO mais perigosos, pelo que o nível de treino e de controlo tem de ser redobrado (ou mesmo decuplicado). Se em vez de uma rafeira pequena (ou uma maltese), fosse um pitbull, se calhar em vez de ter saído com umas arranhadelas insignificantes e malhas na camisola e buraco nas jeans, teria necessitado de tratamento hospitalar.

  26. E foi por isso que eles foram pro treino, e eu também. Pq me alertaste. Curiosamente, a minha maior preocupação foi não só que me desfizessem os cães às postas, mas também que me magoasse eu ou quem quer que seja que esteja comigo ao tentar separar os animais.
    A minha atitude na educação deles não foi muito correcta e por isso está-me a custar agora, exactamente pq por eles serem mto pequenos, ignorei comportamentos como o ladrarem em casa, ou a outros cães. Eram pequenos, eu controlo. Quantas vezes não pus a Petzi debaixo do braço e a levei dali pra fora e acabou-se o assunto.
    Estou a corrigir, é certo. Mas tu não imaginas nem sonhas o meu desespero na rua quando a Petzi me foge ou desatam os 3 a ladrar como se fossem feras, em uníssono.
    Todos os cães, raça perigosa ou não, têm a capacidade de magoar, que mais não seja por atiçarem donos ou cães uns contra os outros 🙂
    Eu ando na escolinha, gasto um horror de dinheiro com eles, saio à rua com -11 pros passear, mas penico, foi preciso eu ter 3 pra saber o que era ter um cão a sério. Ou melhor dito, ter cães. E digo-te que já estou a recorrer a aulas particulares e cursos de agressividade pra Petzi pq já não sei o que hei-de fazer. Eu por mim esterilizava-a, mas o vet disse que era pior…o certo é que não posso neglegenciar o meu cão porque é pequeno ou duma raça controlável. Muito menos o pode fazer quem tem uma raça resultado de cruzamentos marados.
    E como disse o Tolan, normalmente os mitras é que têm estas raças: pitbulls, rotweillers e afins. Que inteligência esperamos nós de um mitra mesmo que tenha um caniche? enfim, o certo é que o ser humano tem de controlar os cães, pequenos ou grandes e é responsável pelos bichos, pequenos ou grandes, raça complicada ou difícil. Beijinhos

  27. E já agora: concordo que a maioria do pessoal que tem pitbulls é mitra, é assim uma espécie de atracção fatal. e não me lixem, que quem quer um cão de companhia e familiar não vai logo escolher um pitbull, com tanta raça de temperamento mais dócil.

  28. Tue. De qq forma sabes que eu vi o american pitbull durante semanas e nao sabia que era um pitbull? Têm a cara quadrada, é diferente. Era um senhor bicho, enorme, dava-me quase por debaixo dos braços, parecia um cavalo. E muito muito obediente, nao tinha aspecto agressivo, nunca provocou cão algum e nao desobedecia ao dono (que nao era mitra, mas era parecido com o cão) nem um milímetro e não era obediente porque o dono o castigasse por tal, mas porque se via na natureza do cão que ele era calmo.
    Talvez por isso eu não tenha associado a que fosse um pitbull.
    Posso-te dizer que quase caí de cú quando o senhor me disse que era um american pitbull no último dia. E penso que ele não tinha filhos, mas não tenho a certeza.

Deixar uma resposta