O que tu não viste

Quando duas pessoas se zangam há sempre coisas que nós que estamos de fora não vimos. Viste sofrer uma delas e ficaste triste por ela. Mas não viste o que o outro, que aos teus olhos é o vilão, sofreu.
Também não assististe a tudo, não escutaste as conversas, eras muito novo e não entendias bem. Só viste o desfecho, não viste o início.
Não ouviste as palavras duras da terceira e da quarta pessoa e tomaste partido.
E eu não fui muito diferente porque consenti que me calassem.
Tu lembras-te da mágoa do que amas, eu lembro-me das palavras de todos os que amo.
É certo que a uns devo tudo, e aos outros pouco. Mas aos outros devo muitos momentos de alegria quando era pequena, naquela altura em que todos só olhavam pra ti e eu estava esquecida por já ser grande. É isso que eu não esqueço. Eu era a mais importante pra ela, mais que tu. Eu é que era igual a ela, não eras tu, embora claramente fosse minorca.
Cada um fez o melhor que pôde e soube e cada um se empenhou em magoar o outro mais profundamente à medida que a mágoa própria crescia. Uma espécie de mancha de petróleo que lentamente se vai espalhando e que escurece o coração. E tudo, como seria de esperar, em vão.
Enterraste as lembranças, mas eu não.
Queres uma passinha?
Vá, dá-me a mão pra adormeceres.
À mesa de Deus nosso Senhor não se canta menina!
Chuva de rebuçados!
A mulher e a espada quer-se da mais alongada!
Eu gosto é disto assim, com muita gente e todos juntos à mesa, isto é que é um Natal. O meu mais novo fala muito porque sai a nós, sai ao nosso lado.
Queres sugus? Dou-te sugus se não disseres que nos viste aos beijinhos, ok?
Tu não te lembras, mas eu lembro-me e é por isso que vi tudo, não vi só um lado. É por isso que hoje não estou zangada, não tenho mágoa. A ti perdoo-te a ignorância. Mas jamais seria capaz de me perdoar a mim própria se não tivesse tentado entendê-la e aceitá-la. Porque ela gostava muito de mim, mesmo depois de eu me calar e desaparecer. Se ela me perdoou isso, eu posso perdoar muito mais e não é porque ela esteja a morrer.


Deixar uma resposta