No seguimento da geração à rasca

quero ainda dizer o seguinte:
Uma amiga minha que tem agora 27 aninhos acabou o curso dela aos 22 em Conservação e Restauro em Tomar. Juntou um grupo de amigos e colegas de curso e juntos formaram a sua própria empresa. Concorreram aos concursos da Fundação de Serralves no Porto e foram apoiados pela Fundação e não só fazem a conservação e restauro de toda a exposição de arte contemporânea da dita, como concorreram e ganharam outro concurso para inventariar, avaliar e no futuro recuperar todas as obras de arte do Parlamento Europeu.
Fazem isto há 5 anos e quando lhes perguntei como é que formaram a empresa explicaram-me que estiveram os primeiros 2 anos a viver às custas dos Pais porque todo o dinheiro que ganharam foi pra re-investir na empresa. A partir do momento em que recuperaram o capital investido, estabeleceram um ordenado de 500 euros mensais para cada um. E agora, 5 anos depois, conseguiram chegar aos 800 euros mensais. Acreditam que em 2012 possam aumentar a fatia salarial e os lucros distribuídos entre eles.
Ora pensemos nisto:

1) Cinco putos a cheirar a leite tiveram “tomates” para fazer algo por eles próprios em vez de andar a chorar atrás do Estado.

2) Não têm cunhas nenhumas, buliram e concorreram e apostaram, e passaram noites sem dormir sem qualquer retribuição salarial.

3) Têm noção que a empresa só cresce se eles forem conscientes e não “lambões” e fizeram a distribuição de lucros e de ordenados que viram como eficiente.

4) Trabalham numa área que é a deles e tiraram o curso num sítio que não era popular.

5) Vivem no País deles e não se consideram de todo uma geração rasca, muito menos à rasca.

É certo que 800 euros é pouco, mas porra, não dependem de ninguém, fazem algo de que gostam e CRIARAM algo que é deles, e isso já ninguém lhes tira.

Têm toda a minha admiração e todo o meu respeito.

6 comments:

  1. Cum caraças…. este mundo é um penico…
    Por acaso eu conheço essa história :p e por exemplos como este é que recuso o titulo de geração a rasca

  2. Um dos cinco chama-se Joana e é minha amiga desde que nasceu. A Mãe dela trabalha com a minha há 27 anos. Gosto imenso dela e surpreendeu-me bastante toda a força e todo o empenho que colocaram na empresa. Não pq a Joana me surpreendesse, mas pq tivesse arranjado mais 4 (ou eram 3) pessoas com a mesma garra e o mesmo entusiasmo.
    Se vieres o vídeo do Miguel Gonçalves vês que à rasca é sinónimo de comodismo e isso é coisa que felizmente, mta gente não é. Beijinhos aí pro Norte 😉

Deixar uma resposta