São 15:42 em Portugal Continental

São 16:42 na Holanda. E eu já fechei o tasco laboral, não sem antes ter sido elogiada pelas minhas chefias pelo excelente desempenho profissional. Estou mesmo muito muito satisfeita.
Radiante é a palavra.
Isto de trabalhar remotamente pela primeira vez na vida, tem muito que se lhe diga.
Eu já trabalhava a partir de casa imenso tempo na Holanda, mas estava a 5 minutos de carro do escritório, qualquer coisa, estava à distância de uma chamada e um pulo.
Aqui estou sozinha, não sem rede, mas muito mais isolada, e se “o bicho pega”, preciso de lançar mão de outros skills que não impliquem um face to face continuado. Tenho de melhorar obrigatoriamente os meus “communication skills” como dizia a minha antiga chefe Belga, e confesso que pra mim, nortenha, disparada, com a língua mais pronta que o cérebro, que tenho sempre o coração na boca, nem sempre é fácil.
Mas aparentemente, estou no bom caminho. E que mo digam, é uma benção e dá-me uma paz de espírito incrível.
Comecei às 7 e meia Portuguesas, mas despachei o trabalho todo, e ainda almocei pelo caminho, meia hora, à Holandesa, em frente ao computador, mas não comi sandes 😉
E agora vem cá uma amiga lanchar, e ao fim do dia aparece a João pra jantar e darmos um pulinho ao Teatro, vamos ver o Tribos com o António Fagundes, can’t wait!

“A história de “Tribos” centra-se em Billy (Bruno Fagundes), que nasceu surdo no seio de uma família sem deficiências auditivas. Foi criado dentro de um casulo e soube adaptar-se ao comportamento pouco convencional da sua família. Mas quando Billy conhece Sylvia (Arieta Correia), uma jovem mulher prestes a ficar surda, contacta com uma nova realidade. Este será o ponto de viragem que o colocará, assim como ao público, perante a dúvida do que realmente significa o sentimento de pertença.O espetáculo é uma premiada comédia da autoria da inglesa Nina Raine, que “promete criar uma inusitada relação com a plateia – entreter, provocar e ao mesmo tempo entregar um extraordinário momento ao público”, pode ler-se na sinopse. A peça estreou em Londres, em 2010, com um elenco anglo-saxónico e, em 2012, venceu o New York Drama Critics Circle para melhor peça estrangeira.Com encenação de Ulysses Cruz, “Tribos” vai estar em cena em Lisboa de 10 a 28 de setembro, de quarta a sábado às 21h30 e aos domingos às 17h. Nos dias 3 e 4 de outubro apresenta-se no Coliseu do Porto, à 21h30. Os bilhetes já estão à venda nos locais habituais e custam entre 12,50 e 27,50 euros.”

E este fim de semana quero dar um pulo ao Mercado da Ribeira pra fazer umas compras na praça, passar na Ribeira das Naus a pé, e ainda se calhar ir até ao bairro das Estacas ver mais um espectáculo do Teatro Maria Matos ver o Bailem!

Não sei se consigo fazer isto tudo, até porque se prevê que chova a rodos, mas opções não faltam, e foi por ter estas opções que regressei, por isso há que sugar tudinho até ao tutano!
Agora vou ali passear os bonecos e começar o meu fim de semana a sério.
Gotta love my life…. I sure know I do!

3 comments:

  1. Tenho muita pena de esta peça não vir a Coimbra. Já li entrevistas com os Fagundes, pai e filho, e fiquei com muito boa impressão, é mesmo uma pena não conseguir ir vê-la (ou que este tipo de espectáculos não seja captado por Coimbra, mas isso já é outra questão…).
    Ahhhhh…! Já vi uma certa pessoa com Miss Petzi, estamos tão fashion que a foto, essa sim, vai ser capa da Vogue! :)) Oh pá, gostei tanto, linda! (Ok, só tenho de aprender a não estrangular os teus bicharocos com a trela… eu prometo!!) 😀
    Muitos beijinhos!

  2. Nem imaginas, cheguei UM minuto atrasada à peça e não pude entrar…. foi bem feita, mas nao te sei dizer se é boa, se bem que ouvi críticas mto negativas, mas olha, estou 30 euros mais leve e nada mais culta, por isso não vou tentar ver outra vez lol
    Os meus bichos auto-estrangulam-se, não precisam da tua ajuda! ahahah
    Quando quiseres passeá-los outra vez e ouvi-los ladrar na esplanada, é só dizeres q nós estamos todos sempre às ordens! :D:D muitos beijinhos, estão mega fashion!!!

Deixar uma resposta