O “berdadeiro” emigrante

Traz consigo uma mala a mais so pra poder fazer chegar ao Pais de acolhimento as delicatessens da santa terrinha, a saber: um belissimo queijo da serra, um kilo de presunto, couves Portuguesas e tronchudas pra congelar nao va apetecer um cozidinho a Portuguesa, 4 ou mais chouricos e alheiras e se ainda conseguir traz vinho e aguardente feita pelo Primo, Tio ou Avo.
Eu, alem disto tudo (excepto o vinho) porque ja nao havia peso que aguente ainda trouxe: um mini-aspirador, uma maquina pra cortar o pelo aos caes e outra pra secar os xuxus e 5 livros novoa. E la estao 21 kilinhos e uma emigra muito satisfeita!

10 comments:

  1. Olá miúda, eu sei que tu sabes o que é 🙂 Eu imagino que já estejas farta por esta altura, mas eu aqui tenho que rifar alguém pra conseguir uns quiabos e o funge pra fazer moamba 😉 Um beijinho pra Angola! Bom ano, vais ver que vai correr melhor que 2012.

  2. Nada! Sou tão boa nisto que só de pegar na mala consigo saber se está nos 22 kilos ou se já passou. Juro! Sem balança nem nada. Desta vez tinha 21 kilos. Podia ter trazido mais uma garrafinha de vinho!

  3. E bacalhau, não? Eu também trago sempre comida (couves??? ahahahah) e confesso que nos primeiros anos de emigra, e já lá vão 6, o meu panico era que a mala se abrisse por alguma razão e viesse semi aberta, com as postas do bacalhau meio de fora, a passear no tapete…:)

    Um ano muito positivo para ti!

    Daniela

  4. Daniela, bacalhau não porque já não cabia. Além disso consigo compra-lo aqui, enquanto que as couves neeem pensar, é que NAO existem! E eu vou no meu 5° ano e é raro vir tão abastecida, mas no Natal trago sempre algumas coisas e este ano como fui à terra dos meus Pais, foi só encher a mula 😀

    Um bom ano e muito "do positivo" pra ti "tumbém" 😉 beijinhos!

Deixar uma resposta